Rubberpedia - portal da indústria da borracha

Portal da Indústria da Borracha

all about rubber!

  rubberpedia
  POLÍMEROS / ELASTÓMEROS /
  BORRACHAS
    Introdução
    Borracha Natural (NR)
    Borracha de Poliisopreno (IR)
    Borracha de Butadieno Estireno (SBR)
    Borracha de Policloropreno (CR)
    Borracha de Polibutadieno (BR)
    Borracha de Isobutileno Isopreno (IIR), de Clorobutil (CIIR) e de Bromobutil (BIIR)
    Borracha de Acrilonitrilo Butadieno (NBR)
    Borracha de Etileno-Propileno-Dieno (EPDM)
    Borracha de Silicone (Q)
    Borracha de Poliuretano (AU e EU)
    Borracha Fluorada (FPM, FKM)
    Borracha de Etileno Acrilato (AEM)
    Borracha de Poliacrilato (ACM)
    Borracha de Acrilonitrilo Butadieno Hidrogenado (HNBR)
    Borracha de Epiclorohidrina (CO, ECO, ETER ou GECO)
  NEGRO DE CARBONO
  CARGAS BRANCAS
  ANTIOXIDANTES / ANTIOZONANTES
  AUXILIARES DE PROCESSAMENTO
  VULCANIZAÇÃO
    Introdução
    Vulcanização com Enxofre
    Vulcanização sem Enxofre
  NORMAS PARA BORRACHA
  UNIDADES, múltiplos, submúltiplos e Factores de Conversão
  QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE BORRACHA. ESBOÇO DE UM SISTEMA DE CONTROLO DE QUALIDADE
  COMO FORMULAR BORRACHA? ALGUMAS INDICAÇÕES SOBRE AS ETAPAS A SEGUIR
  Borrachas-termoplásticas
    O que são as Borrachas Termoplásticas?
    EPDM / PP


Vulcanização

Vulcanização

Introdução à Vulcanização

Manuel Morato Gomes (Rubberpedia, portal da indústra da borracha)

::: Por Manuel Morato Gomes


SOBRE A VULCANIZAÇÃO

A vulcanização é um processo de reticulação pelo qual a estrutura química da borracha, matéria-prima, é alterada pela conversão das moléculas do polímero independente, numa rede tridimensional onde ficam ligadas entre si. A vulcanização converte um emaranhamento viscoso de moléculas com longa cadeia numa rede elástica tridimensional, unindo quimicamente (reticulação) estas moléculas em vários pontos ao longo da cadeia.

Borracha: rede tridimensional

borracha não vulcanizada

borracha vulcanizada


A borracha é conduzida a um estado no qual as propriedades elásticas são conferidas ou restabelecidas ou melhoradas numa gama grande de temperaturas. Este processo é por vezes aplicado para a obtenção de produtos rígidos (ebonite) usando 25 a 40 phr de enxofre.

Um sistema de vulcanização contém agentes de vulcanização (enxofre, óxidos metálicos, compostos difuncionais e peróxidos) e, se necessário, aceleradores, activadores, retardadores, etc., usados para produzir as características de vulcanização desejadas e as propriedades do vulcanizado pretendidas.

O óxido de zinco e o ácido esteárico são activadores, sendo os iões de zinco tornados solúveis pela formação do sal proveniente da reacção química entre o ácido e o óxido.

Com o uso de aceleradores orgânicos é necessário o uso de activadores orgânicos e/ou inorgânicos para que os aceleradores atinjam o seu potencial. Os activadores mais importantes são o óxido de zinco (ZnO) e o óxido de magnésio (MgO), este utilizado em borrachas sintéticas de policloropreno (CR). Para além destes activadores usam-se também, o ácido esteárico, ou sais de ácidos gordos como o estearato de zinco. Os ácidos gordos e o óxido de zinco são incorporados para formarem um sal de zinco, que funciona como um dador de iões de zinco, activador do sistema de vulcanização.

Borracha: Vulcanização

ácido gordo

sal de zinco


O ácido esteárico, muito embora possa parecer um ajudante de processamento bastante económico devido à sua capacidade lubrificante, tem uma solubilidade limitada. Quando incorporado acima do limite de solubilidade, o excesso de material vai migrar para a superfície e afectar a auto-adesividade da borracha. Por esta razão utilizam-se com frequência sais de zinco de ácidos gordos.

Os aceleradores usados com o agente de reticulação permitem obter a velocidade de vulcanização desejada. Se usados em dosagens acima da sua solubilidade na borracha, poderá ocorrer a sua migração. Esta situação pode ser evitada usando pequenas quantidades de vários aceleradores, de forma a que os resíduos sejam solúveis.


EVOLUÇÃO DA VULCANIZAÇÃO (CURVA REOMÉTRICA)

A evolução da vulcanização pode ser analisada através da curva reométrica, fig.2, obtida com um reometro de disco oscilante, a qual pode ser dividida nas seguintes fases:

Borracha: Vulcanização

Fig. 2 - Curva reométrica.


a - tempo durante o qual não ocorre vulcanização. Neste período a borracha comporta-se termoplasticamente e reduz a sua viscosidade devido ao efeito combinado do aquecimento e cissão macromolecular. Dependendo da escolha do sistema de vulcanização, o início da vulcanização pode ser rápido ou retardado. Nos processos de moldação, é preciso manter o fluxo do composto até que sejam preenchidas todas as cavidades do molde e se permita que o ar se escape. Um início de vulcanização muito rápido, não é aconselhável na maior parte dos casos visto que vai interferir com a segurança do processamento podendo, em última instância, originar ocasionalmente o começo da vulcanização antes do total preenchimento das cavidades do molde.

b - fase da subcura - desenvolve-se o processo de reticulação; a maioria das propriedades da borracha não está ainda completamente desenvolvida.

c - estágio de cura óptima - atinge-se o grau máximo de reticulação. Como nem todas as propriedades dos vulcanizados atingem o seu valor óptimo a este nível de cura, é necessário encontrar um compromisso entre o estágio de cura ou uma ligeira sobrecura.

v - fase de sobrecura - obtém-se prolongando o aquecimento (vulcanização) das borrachas para além do tempo de cura óptimo. Para a maioria das borrachas sintéticas, ou não se observa uma variação no binário, obtendo-se o que se designa por patamar (fig.2) ou se observa um aumento ligeiro e progressivo com o tempo, como se observa na fig. 3 (a).

Borracha: Vulcanização

Fig. 3 - Curvas reométricas com aumento progressivo de módulo (a) ou com reversão (b).


Com a borracha natural observa-se que, para além do tempo de cura óptimo, ocorre um decréscimo do binário (fig. 3 b). A este comportamento, acompanhado em geral de uma diminuição das propriedades mecânicas devido à redução do número de reticulações, dá-se o nome de reversão [1] [2].


ANÁLISE DA CURVA REOMÉTRICA

A partir da curva reométrica tipo apresentada na fig. 4, determinam-se valores úteis na caracterização de formulações, Norma ASTM D 2084-95, e importantes para as diferentes fases do processo produtivo.

Borracha: Vulcanização

Fig. 4 - Curva reométrica tipo.


- Mi - binário inicial;
- ML - binário mínimo;
- MH - binário máximo;
- ts2 - tempo de segurança, tempo correspondente a um binário de (ML + 2 unidades); também se usa ts5, para designar o tempo correspondente a um binário de (ML + 5 unidades)
- t'x - tempo óptimo de vulcanização, tempo para se atingir x% de aumento de binário, ou seja, tempo correspondente a um binário igual a

Borracha: Vulcanização

O tempo óptimo de vulcanização de uma peça depende, obviamente da espessura, especialmente quando superior a 6mm [1].


VARIAÇÃO DAS PROPRIEDADES COM A DENSIDADE DE RETICULAÇÃO

Muitas propriedades, ou quase todas, são afectadas com o aumento da densidade de reticulação, isto é, com o número de reticulações formadas. Umas mais fortemente do que outras [2]. No primeiro grupo citamos:

- Valores de tensão, tensão de rotura e alongamento;
- Elasticidade de ressalto a elevadas temperaturas;
- Amortecimento dinâmico a elevadas temperaturas;
- Resistência à progressão do corte;
- Deformação permanente por compressão;
- Resistência à fadiga;
- Resistência à abrasão;
- Aquecimento interno, dinâmico (heat build-up);
- Estabilidade de aumento de volume.


No segundo grupo enumeramos:

- Permeabilidade ao gás;
- Elasticidade de ressalto à temperatura ambiente;
- Amortecimento dinâmico à temperatura ambiente;
- Flexibilidade a baixa temperatura;
- Resistividade;
- Resistência à abrasão.

Devemos referir que nem todas as propriedades são optimizadas no mesmo grau de vulcanização que a tensão [2]. Há propriedades optimizadas com uma ligeira sub-vulcanização, tais como, a resistência à abrasão e a resistência à progressão do corte, optimizadas com a vulcanização óptima, como a tensão de rotura e a resistência ao envelhecimento e, por último, optimizadas com uma ligeira sobrevulcanização. Neste grupo podemos incluir a elasticidade de ressalto, a deformação permanente por compressão, a resistência ao desgaste, o aquecimento interno, o amortecimento dinâmico, a estabilidade de aumento de volume e a flexibilidade a baixa temperatura [2].



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] - MORTON, M. - Rubber Technology, 2nd Edition, Van Nostrand Reinhold, New York, 1989.
[2] - HOFMANN W., Rubber Technology Handbook, Hanser, New York, 1989.


:::


» Regressar ao topo da página